sábado, 6 de dezembro de 2014

Ídolo e Gênio



                                                               Foto: Carina Regina




Ele não decidiu, ele não cobrou escanteios curtos, nem faltas... Ele não discutiu com juiz e nem apitou o jogo, não puxou a braçadeira a toda hora, nem arrumou a camiseta que lhe cai as costas...Não correu com seu jeitinho peculiar, nem aplicou La Boba. mas ele estava lá. Deve ter esbravejado, deve ter xingado, deve ter sofrido, cantado" Vamo Vamo INTER" , dado ordens que quem sabe alguem escutou, ou não. Deve automaticamente ter chutado uma bola ao gol, defendido um chute junto cm nosso Goleiro, e com certeza deve ter ter gritado muito ao vibrar cm os gol dos companheiros! Sim Andrés D'Alessandro estava lá, vibrando como todos nós porque ele é torcedor! E mesmo sem a braçadeira, sem estar em campo , sempre será nosso Capitão amado! Rostia Buffi


*Texto enviado para o site é de inteira e exclusiva responsabilidade do autor




                                                                   Arte: Anderson N.S

domingo, 30 de novembro de 2014

Rosalia Speck




Eu quero sempre mais de ti...

Começo esta pequena reflexão, utilizando-me da frase de uma música do grupo Irá, grupo este que para minha alegria, resolveu voltar a ativa. Mas vamos ao que interessa, 2014 foi o ano que se iniciou cheio de perspectivas entre os colorados, queríamos este Brasileirão. E na ânsia deste título não foi dada a devida importância nas outras duas campanhas ao qual participava, a Copa do Brasil e a Sul-americana. Montou-se um  time competitivo, com jogadores desejados pelos torcedores. 

O Inter trouxe Abel Braga, treinador querido pelos Colorados por ser um grande treinador e por haver dado muitas conquistas ao Clube, quando de sua passagem anterior pela casa. Trouxe, também,  Aránguiz, Martin Luque, sendo que este último ainda não mostrou a que veio. Como forma de preservar alguns jogadores do elenco principal, em determinados momentos deu espaço para alguns nomes da base, como foi o caso de Eduardo Sacha, Leandro e Valdívia. Garotos estes que se destacaram e mostraram em vários momentos que mereciam estar no elenco principal. 

Quando Nilmar  abriu a possibilidade de regressar ao Brasil, demonstrando especial interesse no Inter, este fez de um tudo para que o Nilmar viesse, atendendo ao clamor da torcida Colorada, jogador este que ainda não entrou no ritmo do futebol brasileiro e que é grande expectativa para 2015, pois aí já terá tido tempo suficiente para se ambientar novamente ao nosso ritmo.

O tetra não se concretizou e não que sirva de muleta, mas sim uma situação concreta de fatores que não nos permitiram alcançar o objetivo; nosso setor defensivo ficou muito aquém do que se almejava e em várias oportunidades foi um teste cardíaco para nós torcedores. Não teve qualidade suficiente e não tínhamos peças de reposição, não gosto da expressão "peça de reposição", parece que estamos falando de máquinas e não de seres humanos, mas não veio outra no momento. Tivemos a lesão do Sasha, que vinha aproveitando,é muito bem diga-se de passagem, as oportunidades de atuar no elenco principal, e se tornou um nome de relevância na equipe.



O fato é que o Internacional sofreu com muitas lesões desde o início do Campeonato Brasileiro. Alex apresentou desgaste muscular após tratamento no tornozelo esquerdo, Aránguiz, Dida, Juan e Otávio foram outros atletas que preocuparam o departamento médico. Não esquecendo da questão Beira Rio, onde só após o término da Copa do Mundo que os jogos em casas, foram realmente em casa. Claro que tivemos muitos outros fatores que nos impossibilitaram o tetra, mas os citados já foram suficientes para a não vinda do tetra.


Estamos na Libertadores da América em 2015, não era somente este o objetivo para o campeonato, porém tivemos um ano infinitamente melhor que a campanha passada.  


A vaga na Libertadores neste caso é motivo de comemoração, na expectativa de que para 2015 precisaremos apenas de alguns reforços pontuais para nossa equipe, visto que temos uma casa padrão FIFA, e a concretização de um Centro de Treinamentos tão bonito e funcional como é o Gigante da Beira Rio e tão valiosa quanto a torcida colorada.





Ah, fomos Tetra no Gauchão 2014. Mas não esqueça Inter   "eu quero sempre mais de ti"

Rosalia Speck