Colorada Por Tudo



COLORADA POR TUDO!

    Um dia me perguntaram o por quê de eu sentir tanta paixão pelo INTER. E confesso que essa foi uma pergunta muito difícil de ser respondida. Não que eu seja colorada só por ser colorada. Aliás, nenhum colorado é colorado apenas para dizer que torce para um time.
     Eu sou colorada por TUDO. TUDO o que o INTER é. TUDO o que o INTER já fez.
     Sou colorada pelas vitórias e também pelas derrotas. Sou colorada pelos sorrisos e pelas lágrimas. Sou colorada pelas alegrias e também pelas tristezas.
     Sou uma colorada que nasceu no tempo “das vacas magras”, em que a máxima glória era a conquista de um estadual e que até as vitórias em cima do coirmão eram escassas. Cresci naqueles anos em que o arrogante time de azul empilhava títulos e estava no auge de sua soberba. Fui criada em uma casa onde apenas eu e meu pai eram vermelhos. Todo o resto da família torcia para o time da arrogância. Tive que aturar muita festa deles e muita “flauta” também, mas posso encher a boca para dizer que nunca tive vontade de me render para o time modinha. Porque torcedor de verdade não é modista. Torcedor de verdade se casa com o seu time  e permanece com ele em todas as suas fases. Quando eu era criança eu me sentia colorada. Não sabia muito bem explicar o por quê, mas o amor verdadeiro sempre foi uma questão de muito mais sentimento do que explicação.
      Comecei a entender melhor o mundo do futebol com 9 anos de idade. No ano de 1997. Ano do Gre-Nal o “Uh!Fabiano!”. Ano em que o Christian empilhava gols. Naquele ano meu amor pelo INTER que já existia, se fortaleceu.
      Dali em diante passei muita coisa com o INTER. Aquela perda do Gauchão para o Juventude em 1998, os quase rebaixamentos nos Campeonatos Brasileiros em 1999 e 2002, a recuperação da auto-estima colorada em 2003 com a boa campanha no Campeonato Brasileiro. Pude acompanhar pela primeira vez em 2004 uma grande campanha do INTER em uma competição internacional, na Copa Sul-Americana. Em 2005 senti na pele a indignação com o roubo escancarado no Campeonato Brasileiro, no qual nos tiraram no “canetaço” um título que conquistamos dentro de campo. E em 2006 pude presenciar e sentir as maiores glórias que um time pode alcançar: as conquistas continental e mundial. E as conquistas continuaram nos anos seguintes: Recopa Sul-Americana em 2007 e 2011, Copa Sul-Americana em 2008, mais uma Libertadores em 2010 e muitos títulos estaduais e vitórias em clássicos. Falando em estaduais e clássicos, como esquecer as épicas goleadas por 8 à 1 em cima do Juventude e do Caxias em 2008 e 2009? E a emocionante final do Gauchão de 2011 quando conquistamos o título nos pênaltis e fizemos a festa em plena casa tricolina ?
      Tive o prazer de ver muitos grandes jogadores vestirem e honrarem a camisa colorada. Entre eles Fernandão, Tinga, Clemer, Rafael Sóbis e D’Alessandro.
       E as muitas glórias do passado que não pude presenciar e os muitos craques que não vi jogar, pude ouvir suas histórias. Como não venerar Falcão, Valdomiro, Figueroa e cia ? Como não se emocionar ao saber dos feitos do Rolo Compressor ?
        2014 é o ano do renascimento do nosso Gigante da Beira-Rio que já foi palco de muitas glórias. E nos próximos anos será palco de muitas outras mais, porque o INTER seguirá sua senda de vitórias.
        E enquanto isso vou continuar colecionando motivos que me fazem nutrir essa paixão pelo SPORT CLUB INTERNACIONAL. Vou seguir vivendo essa vida cuja essência é totalmente ALVIRRUBRA.

Caroline Conceição

   
*Texto enviado para o site é de inteira e exclusiva responsabilidade do autor

Comentários