Entrevista - Rafaela Ribeiro



O BarColorado entrevista Rafaela Ribeiro

BC - Qual é a inspiração para as manifestações de vocês? As torcidas americanas, com suas cheerleaders? 
Rafaela Ribeiro - A inspiração vem mesmo das tradicionais torcidas americanas, porem buscamos adaptar as musicas e coreografias trazendo elementos populares no nosso pais, e no clube.

BC - Como foi a recepção da torcida com o trabalho de vcs?
Rafaela Ribeiro  - Foi bastante positiva. 

BC -  Como vc vê  a fase atual do nosso Internacional?
Rafaela Ribeiro -  Vejo o futebol  a médio e longo prazo. Para mim, estar sempre entre os 5 melhores, disputando inumeros  titulos na mesma decada é o que eu chamaria de fase boa. 

BC -  Vc  acredita  que uma torcida motivada pode interferir no resultado de um jogo?
Rafaela Ribeiro -  Logico. Eis a famosa "camisa 12".
   
BC -  Qual sua  expectativa em relação à reabertura do Beira-Rio?
A Rafaela Ribeiro  - credito em um espetáculo "Gigante", tendo em vista a previa que foi a Coletiva de Imprensa da semana passada. 

BC - Momento marcante do time?
Rafaela Ribeiro  - A conquista da segunda Libertadores. Eu era a Musa na época. Foi inesquecível.
  
BC -   A  melhor performance de vocês, foi em qual jogo? 
Rafaela Ribeiro  - Gostei da nossa apresentação no jogo contra o Atlético. Paranaense, no Estádio do Vale. 

BC - Qual sua maior motivação para compor este seleto grupo de cheerleaders?
Rafaela Ribeiro -  A motivaçao está em simplesmente ser torcedora e poder participar de um projeto pioneiro, vinculado ao Clube, alem da dança em si. 

BC - Você sente a vibração da torcida a partir da apresentação de vcs?
Rafaela Ribeiro  - Sim. É possível sentir. A torcida nota também, qualquer desacerto de sincronia, mas de modo geral é muito carinhosa conosco.
  
BC - De onde veio essa vontade de ser uma cheerleaders do Inter?
Rafaela Ribeiro  - Na verdade fui convidada a participar do projeto, por ter sido Musa em 2010, e por ter habilidade para a dança, devido aos anos de pratica na adolescência.  Mas desde 2009 participo ativamente de projetos sociais no Inter. 

BC - Quantas horas  por semana são necessárias para treinos e coreografias?
Rafaela Ribeiro - Necessarias seriam muitas horas. Contamos por enquanto com ensaio semanais, de 2 ou 3 hs... E eventualmente ensaios extras, para algumas apresentações. 

BC - Qual e a rotina de uma Guria Colorada em dia de jogo?
Rafaela Ribeiro -  Depende da logistica da cada jogo (horário, local, se tem coreografia nova)... De modo geral, umas 5 ou 6 horas antes do jogo, pegamos o transporte no Beira-Rio. Ja no local do jogo, passamos as coreografias no campo, depois lanchamos, e ficamos concentradas, aguardando o momento da apresentação. 

BC - Como começou a tua história com o Inter. Já veio de berço?    Influência dos pais, irmãos, namorados?
Rafaela Ribeiro -  Meu pai e minha mae sao colorados. Desde cedo me levavam aos jogos. Quando terminei a graduação em Fisioterapia, quis atuar como voluntaria no Projeto Interagir, para adquirir experiência profissional e estreitar o vinculo com o Clube. Dai por diante, surgiram os convites, os eventos consulares, trabalhos como modelo, o titulo de Musa... depois acompanhei  como Fisioterapeuta o trabalho da Duda com o Futebol Feminino pelo Feci... E hoje estou junto as Gurias Coloradas, as "Tchê Leaders", como falamos carinhosamente brincando.
  
BC - Nos conta uma lembrança de infância com o Inter.
Rafaela Ribeiro  - Eu conheci o Taffarel, num jogo do Inter, em 1987 ( eu acho)... Marcante, nao? Depois, ja na adolescência eu "infernizava" ele, pedindo autógrafos e fotos, quando ele ficou um tempo treinando no Beira-Rio. 

BC -  Qual o jogo mais marcante que você assistiu no Beira-Rio?
Rafaela Ribeiro  - A Final da Libertadores de 2010... Foi um jogo tranquilo, mas marcante. 

BC - Já cometeu alguma loucura pelo Inter? Qual?
Rafaela Ribeiro  - Ja! Fui a SP, ver a semi-final da LA sem ingresso, sozinha, peguei um taxi, toda vestida de Inter, tive que entrar no Morumbi escoltada pela policia... Na comemoraão perdi meus documentos, cartões... Rsrs. Mas valeu a pena. 

BC - Descreva numa frase a emoção de estar no gramado animando a torcida.
Rafaela Ribeiro  - É como marcar um gol! 


Agora um  bate bola:

Nome: Rafaela Ribeiro
Cidade: Novo Hamburgo
Profissão: Fisioterapeuta
Jogo Inesquecível: Semi-final LA no Morumbi em 2010
Um livro: O pequeno principe
Uma música: O de to Joy
Uma frase: "Nada vai nos separar"
Uma paixão: tocar violino


Nossos agradecimentos ao Gustavo Barbosa coordenador do Projeto Cheerleaders Coloradas pela autorização da entrevista.

www.barcolorado.com.br



Comentários